Vacinação contra Covid-19 e queda de casos permitem retomada, afirma infectologista

Vacinação e flexibilização podem caminhar juntos, porque nossos números há semanas nos permitem isso”, explicou a infectologista.

Ela lembra ainda que é preciso completar a imunização com a aplicação da segunda dose, e as pessoas que já estão escaladas para receber a dose de reforço devem comparecer aos postos – Foto: Reprodução/ Internet

A infectologista Raquel Stucchi, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), afirmou, em entrevista à CNN nesta segunda-feira 4, que a evolução da vacinação contra a Covid-19 e a queda de casos da doença no país permitem a retomada das atividades como no pré-pandemia.

“Há a aceleração da vacinação, com 41% da população brasileira completamente vacinada, além de termos há semanas uma queda importante no número de casos, na taxa de ocupação de leitos e na queda da mortalidade. Manter a mortalidade em 500 óbitos por dia é muito, mas sabemos que ela demora um pouco mais para diminuir. Vacinação e flexibilização podem caminhar juntos, porque nossos números há semanas nos permitem isso”, explicou a infectologista.

Contudo, mesmo com a melhora nos índices da pandemia no país, Stucchi reitera a importância de não abrirmos mão das medidas não farmacológicas, como o uso de máscara, o distanciamento social e a higienização frequente das mãos, para evitar a propagação do vírus.

Ela lembra ainda que é preciso completar a imunização com a aplicação da segunda dose, e as pessoas que já estão escaladas para receber a dose de reforço devem comparecer aos postos. “Isso porque quem precisa [da dose reforço] são indivíduos que estão novamente sob o risco de adoecer de forma grave e poder vir a óbito por Covid-19.”

Variante Delta

Sobre a variante Delta no Brasil, Stucchi afirmou que os profissionais de saúde ainda estão receosos com sua ação.

“A impressão que temos é que a Delta está esperando o momento para poder eventualmente causar a mesma maldade que causou nos Estados Unidos, no Reino Unido e em Israel, aumentando muito o número de casos e hospitalizações. Mas talvez isso não aconteça aqui, porque temos uma população que está sendo rapidamente vacinada e que foi vacinada recentemente, coincidindo com a chegada da Delta”, argumentou.

De acordo com a especialista, estes fatores favorecem que a Delta encontre uma população com uma proteção maior do que aconteceu em outros países.

Mostrar mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Bloqueador de anúncios detectado

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo. Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.