Guedes perde equipe após falar em licença para furar teto

Pediram demissão Bruno Funchal, secretário de Tesouro e Orçamento; Jeferson Bittencourt, secretário do Tesouro Nacional; Gildenora Dantas, secretária especial adjunta do Tesouro e Orçamento; e Rafael Araujo, secretário-adjunto do Tesouro Nacional.

A mudança no teto de gastos provocou uma “debandada” do Ministério da Economia. O secretário do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, e mais 3 auxiliares do ministro Paulo Guedes pediram demissão nesta 5ª feira (21.out.2021).

São eles, além de Funchal:

o secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt;

a secretária especial adjunta do Tesouro e Orçamento, Gildenora Dantas;

e o secretário-adjunto do Tesouro Nacional, Rafael Araújo.

Funchal e Bittencourt vinham defendendo a manutenção do teto de gastos, pois entendem que esta é a principal âncora fiscal do país. Segundo o Ministério da Economia, eles pediram demissão por “razões pessoais”.

Em nota, o Ministério da Economia disse que “Funchal e Bittencourt agradecem ao ministro pela oportunidade de terem contribuído para avanços institucionais importantes e para o processo de consolidação fiscal do país”.

A área também disse que “os pedidos foram feitos de modo a permitir que haja um processo de transição e de continuidade de todos os compromissos, tanto da Seto (Secretaria do Tesouro e Orçamento) quanto da STN (Secretaria de Tesouro Nacional)”.

Depois da saída em massa, o Tesouro Nacional disse que os secretários vão aguardar o ministro Paulo Guedes indicar seus substitutos para deixar o governo. “Eles continuam despachando com o ministro nesse período“, disse.

TETO DE GASTOS

A saída de membros da equipe econômica ocorre no mesmo dia em que a Câmara dos Deputados, com o apoio do governo de Jair Bolsonaro (sem partido), manobra para mudar a regra fiscal. O relator da PEC dos Precatórios, deputado Hugo Motta (Republicanos-PB), incluiu em seu parecer mudança no teto para abrir um espaço de R$ 83 bilhões no Orçamento do ano que vem, quando serão realizadas as eleições, sendo que:

R$ 39 bilhões – virão com a mudança no cálculo do teto de gastos. Será considerado o IPCA acumulado em 12 meses até dezembro, e não até junho;

R$ 44 bilhões – com parcelamento de dívidas judiciais (precatórios).

Há menos de 1 mês, Bruno Funchal disse que a solução para o impasse dos precatórios e do Auxílio Brasil não deveria fragilizar o teto de gastos. Para ele, é preciso “ter referências importantes que é manter a nossa principal âncora fiscal”.

Bruno Funchal integrava o “Time A” da equipe econômica desde julho de 2020, quando passou a comandar o Tesouro Nacional. Ficou no lugar de Mansueto Almeida, outro grande defensor do ajuste fiscal. Foi chamado para o cargo pelo então secretário de Fazenda Waldery Rodrigues, depois de ter sido indicado pelo economista e professor Aloisio Araújo, que foi orientador de Funchal na FGV (Fundação Getulio Vargas).

Em maio deste ano, Funchal passou a chefiar a Secretaria de Fazenda. Recentemente, seu cargo foi renomeado para secretário especial de Tesouro e Orçamento por causa de uma reformulação implementada por Paulo Guedes.

No início do governo, Funchal foi diretor de Programas no Ministério da Economia e presidente do Conselho Fiscal da Caixa Econômica Federal. É um dos técnicos responsáveis pela elaboração do projeto do Pacto Federativo.

Jeferson Bittencourt assumiu a Secretaria do Tesouro Nacional em abril, após a reformulação da equipe econômica. Em junho, disse que o teto de gastos mostra o compromisso do governo com a responsabilidade fiscal e “não deveria ser revisto”.

Eis a íntegra da nota do Ministério da Economia:

“O secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, e o secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, pediram exoneração de seus cargos ao ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta quinta-feira (21/10).

A decisão de ambos é de ordem pessoal. Funchal e Bittencourt agradecem ao ministro pela oportunidade de terem contribuído para avanços institucionais importantes e para o processo de consolidação fiscal do país.

A secretária especial adjunta do Tesouro e Orçamento, Gildenora Dantas, e o secretário-adjunto do Tesouro Nacional, Rafael Araujo, também pediram exoneração de seus cargos, por razões pessoais. Os pedidos foram feitos de modo a permitir que haja um processo de transição e de continuidade de todos os compromissos, tanto da Seto quanto da STN.”

19 BAIXAS

Com a saída dos comandantes da Secretaria do Tesouro e Orçamento, chega a 19 o número de baixas da equipe montada pelo ministro Paulo Guedes. A última saída havia sido a do secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues.

Ao assumir o Ministério da Economia, o Posto Ipiranga montou um time conhecido como “Chicago Oldies” –uma alusão aos Chicago boys, time de jovens liberais egressos da Universidade de Chicago que reformou a economia chilena durante a ditadura de Augusto Pinochet. Porém, boa parte do time já deixou o governo, muitos pedindo demissão.

Guedes montou 7 secretarias especiais ao entrar no Executivo. Depois, elevou para 8 o número de secretários especiais. Dos primeiros nomeados, no entanto, apenas 1 se mantém no cargo: o secretário de Produtividade, Emprego e Competitividade, Carlos da Costa.

Leia mais no texto original: (https://www.poder360.com.br/economia/guedes-perde-equipe-apos-falar-em-licenca-para-furar-teto/)

Mostrar mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Bloqueador de anúncios detectado

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo. Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.